Mundo

Familiares de brasileiro condenado à morte chegam a local de execuções na Indonésia

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

RTEmagicC_f4e8607ed8.jpg

O brasileiro Rodrigo Gularte, que está na lista de condenados por tráfico de drogas na Indonésia, pode ser executado a qualquer momento. Em entrevista ao jornal “Hora 1”, sua prima Angelita Muxfeldt disse que o prisioneiro não sabe da execução.

Os parentes dos oito prisioneiros condenados à morte, inclusive do brasileiro, estão no presídio Nusakambangan onde ocorrerão as execuções. O prazo de 72h dado pela justiça indonésia para execução de nove presos terminou. O governo do país asiático não confirmou data e horário do fuzilamento.

Tony Spontana, porta-voz da promotoria, afirmou que 100% dos preparativos para a execução estão completos e que o pelotão de fuzilamento já está a postos no complexo penitenciário desde sábado. Conselheiros religiosos e médicos já foram alertados para iniciar os preparativos finais para a execução e ambulâncias, algumas com caixões cobertos de cetim branco, chegaram ao local.

O jornal Folha de S. Paulo destaca que Rodrigo deve ser fuzilado no início da quarta-feira (29), na Indonésia – tarde de terça-feira (28) no Brasil. Angelita visitou Gularte na prisão nesta terça (28) e tentou sensibilizar o governo a rever a pena do seu primo. Na cadeia, ela alegou que Rodrigo Gularte tem delírios e acredita que será solto. Segundo familiares, Gularte passa os dias olhando as paredes e conversando sozinho.

Ano passado o brasileiro foi diagnosticado, por dois relatórios, que estava com esquizofrenia. Em março, a Procuradoria Geral da Indonésia enviou uma equipe médica para reavaliar o estado de saúde do prisioneiro, mas o laudo não foi divulgado.

O brasileiro foi preso em julho de 2004 após tentar entrar na Indonésia com 6 kg de cocaína escondidos em pranchas de surfe. Ele foi condenado à morte em 2005 e está há 11 anos em prisões indonésias. Gularte poderá ser o segundo brasileiro a ser executado na Indonésia. Em janeiro, Marco Archer Cardoso Moreira foi fuzilado após ser condenado à morte por tráfico de drogas.

Os prisioneiros poderão ficar de pé, ajoelhar-se ou sentar-se diante do pelotão de fuzilamento. Suas mãos e pés serão amarrados. Doze atiradores vão mirar no coração de cada prisioneiro, mas apenas três armas terão munição capaz de matar. As autoridades admitem que a técnica é para que o carrasco não seja identificado.

Fonte: Correio 24h


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Comentários